E > Não sei o que há comigo….

3 07 2008

Desde que começou as férias e até pouco dias atrás eu estava comendo feito uma louca… eu tinha muito mais do que fome (barriga roncando) eu realmente tinha vontade de comer!! Hoje eu apenas tenho fome mas não tenho vontade de por nada boca… tenho comido apenas para viver… Outra coisa estranha é que esses romances adolescentes bestas (já falei que estou escrendo um?) sempre me animaram, lia com aquela sede, aquela empolgação e me divertia muito, leitores vorazes de harry potter ou o senhor dos anéis sabem do que estou falando…. mas esses ultimos dias eu leio apenas com o intuito de saber o final….
Até o livro que eu estou escrevendo não está saindo como o tom que quero…
E o pior eu é que EU NÃO SEI O QUE ESTÁ ACONTECENDO!!!!!
Odeio ficar por fora das coisas, das novidades, ainda mais sobre mim mesma….
Uma parte de mim diz que isso tudo é proveniente da total e completa falta de romance na minha vida… ou falta da adrenalina que ele proporciona… tipo uma sindrome de abstinência… tudo bem que eu disse que não que queria me apaixonar, muito menos amar tão cedo depois do ultimos acontecimentos… mas ninguém me disse que isso teria efeitos colaterais… e também não é como se eu fosse uma maníaca por romance nem nada… ta bom.. é verdade que a primiera vez que me apaixonei foi na alfabetização e desde de então nunca não me lembro de ter estado não-apaixonada até esse semestre… mas eu era criança.. e eu meio que gostava disso… eu me divertia em está apaixonada…. que mal há nisso??
Mas por que as coisas não podem simplesmente ser como eram???
Está tudo tão diferente… as coisas que me satisfaziam antes não me satisfazem mais… porque?? Uma parte do minha mente (aquele que sempre responda as perguntas que você faz para si mesmo) diz que isso se chama maturidade… Mas isso quer dizer que eu estou crescendo… pior, isso que dizer que eu estou ficando VELHA….. e lá vem a mente falando outra vez: ” é acho que isso não é sindrome de abstinencia de romances não, é sindrome de peter pan mesmo”….
E tudo que eu consigo responder pra ela (minha mente) é : cala boca se não eu vou contar pra minha mãe!!!!!





E > O conto de fadas…

26 05 2008

ESTE POST FOI VETADO POR NÃO SE ADEQUAR ÀS DIRETRIZES POLÍTICAS, ECONÔMICAS E SOCIAIS DESTE BLOG! SORRY, VOCÊ VAI FICAR SÓ NA CURIOSIDADE!

Samy





E > Já falei que não sei aonde enfiei meu coração?…

8 05 2008

Já falei que não sei aonde enfiei meu coração? Uma coisa que sempre gostei foi “estar apaixonada” desde muito cedo eu sempre tive minhas paixonites, nada sério… confesso que sempre gostei mais do estado apaixonada, do que do garoto que eu dizia estar apaixonada… Sabe, aquela coisa de ficar suspirando e saber tudo a respeito do garoto e sofrer por ele não te dar bola… sempre gostei disso.. sim, pode me chamar de maluca, mas, eu gostava da parte do sofrer também, porque na verdade eu não sofria, mas a idéia de estar sofrendo por amor é que eu achava legal… influência das novelas mexicanas… não era nada demais…

Era sagrado eu estar “apaixonada” por alguém… eu me lembro que quando começava o ano eu olhava a turma (os garotos, é claro!) e escolhia a dedo: “vou me apaixonar por aquele dalí!”… Sempre foi uma coisa meio platônica, sabe? Eu não tinha a intenção de namorar com qualquer um daqueles meninos… eu nem pensava nessa possibilidade.. o que gostava mesmo era de estar apaixonada por eles, idealizar que ele era o menino mais perfeito do mundo… e quando descobria que não era bem assim passava pro próximo….

Mas aí agente cresce e de repente aparece um menino e estranhamente agente passa a não se satisfazer mais com o platônico, aquela coisa distante… agente quer estar perto, o fato dele não gostar de nós passar a doer bem mais do que antes, agente começa a imaginar como seria ser alguém que tivesse importância na vida dele… uma namorada talvez… de repente agente não só imagina, mas deseja… cada vez mais forte… com cada fibra do nosso corpo.. e quando agente vê outra garota por perto bate aquele ciúme e agente chora… de repente, não mais que de repente agente percebe que aquilo tudo não é mais paixonite e sim amor… Eu já senti isso.. e digo que não era tão gostoso quanto a paixonite… é era um saco na verdade.. porque agente não pode desistir como na paixonite, pelo simples fato de que agente não escolheu… simplesmente aconteceu… O amor nos deixa cega.. na paixonite agente enxergar os defeitos e parte pra outra… no amor agente acha os defeitos lindos… tá bom agente não acha lindo, mas aquilo não tem tanta importância… O amor nos faz fazer loucuras… eu mesma já fiz… já menti pra escola toda por causa de um menino… O amor nos faz sentir arrepios… O amor nos motiva a ir além… eu me declarei para todos os meninos que gostei… que não foram muitos.. só amei mesmo 2 garotos em toda a minha vida.. e mesmo não tendo dado certo eu não me arrependo de ter expressado meus sentimentos…. eu nunca conseguiria viver com a dúvida… eu passaria o resto da vida me culpando… achando que poderia ter dado certo e que eu não fiz tudo que podia para isso… Declarar-me é uma espécie de alívio, pois sei que não dependia mais de mim… não estava mais nas minhas mãos… Amor nos faz sofrer e chorar feito crianças… amor nos faz ficar com o coração em pedaços, nos faz achar que aquilo nunca vai passar… mas passa, afinal tirando o motorista e o cobrador o resto é tudo passageiro… uma coisa que aprendi é que sofrer é conseqüência de muita coisa na vida… mas vale a pena, pois depois da tempestade vem sempre o sol e ele é gostoso pra car**…. a dor quando passa nos faz sentir renovadas e mais fortes…

Depois de me declarar pela última vez não sei o que aconteceu… não consegui olhar para mais ninguém… tentei ficar apaixonada mas estranhamente não consegui.. eu não conseguia ter de volta o poder de me apaixonar platonicamente.. tentei de tudo, mas nada tinha graça, não conseguia sentir a mesma coisa de quando eu era adolescente… decidi ficar sozinha e não pensar no sexo oposto… eu queria um tempo só meu.. eu comigo mesma, sabe?…. só que esse tempo já dura tanto tempo… tentei sair do casulo mas percebi que não sinto nada… acho que perdi meu coração… não sinto amor e também não sinto dor… se já superei meu último amor?… sem dúvidas!… mas, será que ele levou meu coração?…. será que mesmo não o amando mais não vou conseguir amar mais ninguém?… eu bem que poderia ficar com raiva e dar uma queixa de roubo… mas eu não sinto nada… absolutamente nada… será que devo repensar a minha idéia adolescente de ser freira?… acho melhor não, quando agente é adolescente agente não tem muitas idéias boas… então só me resta agora esperar… esperar que alguém encontre o meu coração perdido por aí e devolva-o pra mim!

Samy





E > Irritada…

1 05 2008

Certas coisas me irritam… ok, MUITAS coisa me irritam… você que está lendo nesse instante provavelmente me irrita com alguma coisa… mas e daí? Você vai ficar ofendido com a minha irritação? Eu não ficaria, ma se você fica, azar o seu, vai ficar com um monte de rugas….

Samy





E > Olha como estou hoje….

24 04 2008
122207-1638-enjoadabeme1.jpg
Sabe quando você está sem saco pra nada. Quando qualquer reclamação dos outros sobre você lhe tira a paciência, quando aquela lamúria da sua amiga sobre o ex dela lhe faz querer esganá-la. Sabe quando seu namorado vem com aquela vozinha de bebê e quando você não consegue escreve sobre o que você quer realmente escrever. Pois é, eu não sei o que é isso, só que é assim. Essa urucubaca me pegou, não consigo estudar, não consigo escrever, não consigo dançar, não consigo criar, não consigo fazer nada direito.
Aff, esse texto está uma merda. Desisto!

Assista este vídeo e veja como estou hoje. Depois se pergunte é melhor você deixar um comentário ou não?


Samy

P.s.: Gostaria de pedir desculpa a Nathy do blog “Um olhar sobre a vida“, por só ter visto agora que ela por ela ter me indicado com o selo”é um blog muito bom sim senhora!”. Nathy mil e uma desculpas por só ter visto agora o seu post do dia 16 Março. Muito obrigada pelo selo! Um beijão e continue sempre escrevendo!





E > Penso Logo mudo de Idéia…

28 03 2008
122207-1638-enjoadabeme1.jpg

Eu penso excessivamente. Em tudo, em todos, no passado e principalmente no futuro. Não tanto no presente, mas nem por isso ele escapa da minha mente. Eu penso muito. Mas os pensamentos não ficam sozinhos, eu penso e sinto e desejo. Ah, como eu desejo! Desejo as mais diversas coisas, mas com a intensidade de uma bomba atômica, pois eu sou uma bomba atômica preste a explodir. Quando aparece aquela faísca, que normalmente é um pensamento, eu só ouço bum dentro de mim e aí já foi. Se esse bum não me fizer mudar de idéia, no mínimo confusa ele me deixará e aí já viu, mais e mais pensamentos dominam a minha mente até a próxima explosão. Já achei que mudava tanto de idéias, pois era influenciável, imatura ou inconstante, mas como ser constante se tenho apenas uma visão do mundo e ele é tão diverso. São tantas pessoas, tantos conhecimentos, tantas opiniões, tantos pontos de vista, tantos sentimentos, tantas sensações… e eu sou uma só querendo abraçar tudo que o mundo me proporciona. E é tanta coisa que ele me oferece que não caberia tudo se não ficasse constantemente me renovando. Não sei ser uma só, ser constante, e talvez por isso nunca consegui me definir. Alguns podem dizer que não sei quem sou, mas sei o que me move: os pensamentos. Por isso eu penso e continuo sempre mudando de idéia.

Samy





Enjoda > Quanto mais eu mexo mais afundo em mim…

8 03 2008

 

122207-1638-enjoadabeme1.jpg

Eu penso muito sobre mim, sobre como me comporto, sobre o que acredito, sobre o mundo e sobre a vida… e como diz a música de Danni Carlos (Coisas que eu sei) “quanto mais eu mexo mais afundo em mim”… quanto mais eu penso mais eu me descubro, só que as vezes bate uma tristeza.. por tudo que não sou, por tudo que não sei e por tudo que não tenho… então eu espero o tempo passar, a poeira baixar e o positivismo voltar… pois a esperança é o que me move a transformar todos os “nãos” da minha vida em grandes realizações…

Samy








Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.